25 julho 2016

Sobre o dia dos moços e moças de cabelos brancos.



Não tenho muitas lembranças suas.
Não lembro das tuas mãos.
Do timbre da tua voz.
Não me lembro de como me chamava, lembro menos ainda do sabor do teu bolo de fubá.
Eu me esforço, tendo me fazer lembrar,  mas é infelizmente meus esforços são nulos.
De uma coisa eu me lembro.
Do "Tem não" que eu sempre lhe dizia ao correr para o fogão lhe pedindo carne vó.
A senhora sabia das minhas vontades,  outra lembrança que tenho foi do dia, ou melhor, da madrugada que a senhora passou em claro tirando seus enfeites da estante para me entreter, lembro também que naquela madrugada lhe tirei o juízo quando brincando, ate que prendi o alicate no meu umbigo.
Ah, me lembro também do lenço que usava nos cabelos,  e do teu jeito peculiar de comer sem talheres.
É,  pensando bem ainda existem boas lembranças,  mas sinceramente,  são poucas vó, queria ter mais delas, queria ter tido mais teu colo, queria ter passado as férias de julho na tua casa, queria mais ainda, sentir teu abraço.
São tantas coisas que eu queria me lembrar,  mais não me lembro.
A mãe,  me conta muitas histórias da senhora e do vô que infelizmente também não conheci.
Peço a Deus que cuide de vocês,  sofreram tanto,  peço também que olhe por nós que vivemos no caos deste mundão perdido.
Espero que estejam em um lugar melhor que o nosso, que estejam acima de tudo felizes.
Eu tenho uma mágoa grande,  uma ferida que não sara,  porque mesmo sendo feliz, mesmo seguindo,  sempre vai faltar alguém, sempre faltará um cafune, uma palavra de fé, ou um pouco de proteção.
É vó acho que aprendi a ter fé com a senhora, mesmo tendo partido tão cedo.
Dá saudades demais viu?!
Espero que os jovens de hoje, saibam dar valor ao amor que recebem, seja do jeito que for. Pois a vida, mesmo sendo bonita,  infelizmente tem fim.

Jeessy Batista