27 setembro 2016

Bata a porta moça.


Queria gritar,  mas a voz não saia, e quando eu teimava, e tentava ao menos falar, os olhos molhavam sem querer.
Seca logo estas lágrimas,  lava esse rosto, retoque a maquiagem,  e vista sua máscara de que tudo está bem e   s i g a.
Você sabe que lágrimas não podem definir uma pessoa como fraca ou forte, mas ninguém precisa saber da tua dor. 

A moça bateu a porta e saiu, a mulher apenas fugiu,  sem dar satisfação,  sequer um bilhete de despedida deixou, a menina,  foi a única coisa que lhe restou. 

Sabe qual é o problema dela?
Ela precisa de tudo em excesso,  os bons sentimentos é claro,  mas principalmente de um ombro ou um colo pra chorar.  Quem te conhece sabe da tua história,  sabe que contar suas dores para se fazer de coitada não é o seu forte,  mas as vezes é preciso desabar,  ao invés de se camuflar atrás de um sorriso amarelado e gasto, que por sinal, é conhecido por muitos,  e você pode contar nos dedos de uma mão,  quantos os desvendaram.

Menina, a vida te dá motivos para   s o r r i r,  mas também te dá uma bagagem que as vezes é impossível de carregar sozinha,   quando se sentir segura,  fale, desabafe esse peito de dor, desfaça os   nós   entalados   da   garganta. 

Bata você também a porta, e deixe suas dores presas em um lugar, que seja impossível que elas fujam e lhe visitem novamente. 
Vai passar.
T u d o  passa. 
As lágrimas vão secar,  o dia vai nascer,  o sol vai raiar,  e o teu   s o r r i s o   o dia vai irradiar.

Jeessy B.




17 setembro 2016

O in(finito) acabou.


Nem adianta insistir.
Passado aqui, na minha vida,  só se faz presente se eu quiser. E isso também vale para os que estão ao meu redor, como dizem que gosta de passado é museu.

Não tem essa de sair e largar a porta entreaberta pra voltar quando bem entender, minha vida não é bagunça,  e eu tenho um real presente para viver, olhar para trás não está nos meus planos nos últimos anos.
Muito menos deixar misérias de frestas abertas esperando que alguém volte e me salve.

Isso eu já fiz, sozinha,  por mim mesma.
Ninguém vale tanto a pena quanto eu.
Ninguém vai um dia me amar mais que eu mesma.
Por isso, bata a porta quando sair.
Amarre um ramo de folhas nos calcanhares que é pra não deixar rastro, esqueça o caminho de volta, e suma, se sentir vontade de regressar , lembre-se de tudo o que um dia não te permitiu ficar.

Lembre-se dos meus defeitos mais medonhos.
Qualidades só valem a pena serem lembradas quando estávamos lado-a-lado.
Tudo se tornou descartável demais para ser lembrado.
Tenho um mundo cheio de cores e amores para desbravar,  e não tenha dúvida alguma, que vou mergulhar de cabeça em tudo de bom que os próximos dias, meses e anos puderem me oferecer.

Não me procure, não vale a pena, já conheço tudo isso aí, de cabo-a-rabo, quero o sabor e o cheiro do novo.
Vivemos bons dias de comodismo lado-a-lado, mas passou, chegou a hora de viver realmente.
Saia, não olhe para trás, pois eu não estarei mais lá.

Acabou,  o mundo girou,  o que era novo envelheceu tanto,  que morreu.
Não me ligue, estarei ocupada demais para atender.
Não escreva, a grande verdade é que eu quero que se dane você.

O in(finito) acabou.

Jeessy B.



14 setembro 2016

Vá além da inveja.

Inveja é algo que consome muita gente por dentro-e-por-fora,  por mais que todos neguem, não deixam de sentir.
É feio, mesmo muitos sentindo a tal inveja branca, que no  fundo, bem la no fundo, ela nunca deixou de ser negra e amarga como fel.

Tenho pena de pessoas pequenas,  que vivem para ver o mal da vida dos outros, e sobrevive de agourar a vida alheia.

Inveja nada mais é pra mim, que uma incapacidade de um ser de se sobressair,  aí sobra tempo para olhar por cima dos muros dos vizinhos.
Não desejo nada mais do que a distância de todos esses seres desumanos.

V i v a  por si.
Mostre a que veio.
Faça e almeije o bem, não só por você, ou para você, faça isso além.
Seja mais do que a da platéia possa esperar.
Só não me deseje, nem faça nada para o meu mal.
Não ando só.
Cansei de dormir me sentindo sozinha, mesmo sabendo que nunca estive nem nunca vou estar.

Não reze pelo meu mal, não seja pequeno e mesquinho a este ponto.
Meu bem, eu não preciso pedir nada a ninguém,  não preciso rezar pedido justiça,  não preciso acender uma vela para o mal de ninguém.

Eu tenho quem me cuide.
Me guarda.
Me protege.
E me guia para o melhor caminho acima de tudo.

Sabe porque?
Porque se eu não pudesse com mandinga meu bem, não carregaria meu bom e velho patuá.
Sou luz, por mais que a escuridão alheia tente me apagar.
Aqui, só cabe o bem.
A vida é um espelho, um reflexo, uma câmera fotográfica pronta para disparar na sua direção.
Seja mais.

Jeessy B.




Oyá...



Oyá minha rainha.
Minha vida.
Meu Orisá
Que me protege nos caminhos e nunca me deixa sozinha caminhar.
Ela é brisa leve que toca o meu rosto nos dias bons.
O vendável que me balança os cabelos nos dias ruins, para o mal afastar de mim.
Tenho o maior orgulho do mundo de ter nascido filha de Oyá.
Ainda no ventre de minha mãe,  eu fui escolhida.
Sou filha dos ventos que refrescam os dias de calor.
Sou filha da borboleta que me alegra a voar no nono andar.
Sou filha do raio,  que clareia os céus sem brilho nos dias chuvosos.
E do fogo dividido com Sàngó, o rei da minha vida.
A felicidade em ver minha mãe dançar,  não cabe no peito, nos olhos, menos ainda no sorriso.
Uma criança no ápice de sua alegria chora,  e eu,  choro quando vejo Oyá.
Acordar em uma quarta sem expectativas,  abrir as janelas,  e ver o céu rosado de Oyá é sentir que a vida tem sentido,  que tudo vale a pena, que eu não carrego essa fé toda por carregar.
Sou,  e sempre serei filha de Oyá,  isso nada, nem ninguém pode mudar.

Jeessy B.

03 setembro 2016

Caçador de lágrimas.

Você era um maldito caçador de lágrimas, minhas lágrimas por assim dizer.
Te satisfazia, te saciava meu choro, te deixava completo meu sofrimento, enquanto ele me rasgava por dentro.
Mentia, traía, batia. Achava que suas palavras não me atingiam, tolo, ardiam como ferro em brasa.
Tudo pelo nobre propósito de inflar o teu ego, e me tratar como um grande monte de nada.
Eu trazia de tudo, tudo pra você, pra te agradar, te fazer feliz, único, mas era em vão.

Me cortei em pedaços por alguém que carregava em suas mãos um arco e flecha cujo o alvo era meu coração.

Coitado, ele teve que aprender a se refazer. Sozinho. Apesar de, às vezes, me deparar com ele estando cansado de tantas insistências em vão, de tantas decepções, ele segue forte; jamais morreria por uma falta que não lhe cabe mais sentir. Nem por um certo alguém que nunca soube tratá-lo com a mesma imensidão de desejos, de entrega. Esse alguém era apenas uma fumaça, enquanto eu ardia em chamas. Contudo, agora não mais...

Então, vá caçar novas ilusões em outros lugares, já que não sou mais sua pobre presa, indefesa. Pois me libertei do seu desamor. E as minhas lágrimas por você cessaram. Mas meu coração, guerreiro, permanece bem vivo. A única coisa que morreu aqui dentro foi o teu poder sobre mim... Ele, sim, já se foi, e para todo o sempre.

Andressa Badin Castro & Jeessy Batista




Fé em nós.

Muitos anos se passaram,  muitas coisas mudaram, nós ja não somos os mesmos,  mas existe um coisa que resistiu a todas as tempestades e também aos chuviscos,  essa "coisa" é o nosso amor,  aliás,  ele mudou,  mudou porque nos uniu cada dia mais,  e hoje, eu posso lhe afirmar meu bem,  esse amor só aumentou.

Eu,  ainda sinto meu corpo se arrepiar quando você me toca,  e me sinto uma menina-moça ansiosa toda vez que você vem me encontrar,  o frio na barriga,  e as sensações que não consigo descrever daquele primeiro dia,  se fazem presentes em mim.

Até o que aconteceu para nos separar,  só fez nos unir.
Agradeço a você cada momento que passamos juntos,  cada vez que você segurou minha mão me impedindo de cair,  cada vez que me abraçou quando eu só queria sumir,  o mundo foi um tanto quanto cruel conosco,  mas amor, o melhor ainda está por vir.

Tenho fé nos seus,  nos meus,  tenho Fé em Nós.

Jeessy B.

01 setembro 2016

Meu caminhar.

Que meus caminhos sempre foram tortos não é novidade para ninguém, meus passos,  por mais que sejam firmes, sempre foram desconfiados,  quem muito apanha um dia toma vergonha,  essa é a grande verdade,  e a vida, mesmo tendo teus dias de glória,  não tem nem um pingo de dó de bater.

Já balancei mas não cai,  já tropecei,  me ralei,  me machuquei,  e levantei,  sacodi a poeira, e dei a volta por cima. Muitas,  aliás inúmeras vezes fraquejei.

Desisti,  quis voltar,  fazer diferente,  escolher outro caminho, e escolhi,  Re(comecei).

Mesmo não tendo uma vida perfeita,  sei que hoje meus passos são certos,  firmes,  na direção e no caminho que é meu.
Sei,  eu sei que muita coisa vai mudar, ainda há muita água para passar debaixo dessa ponte que eu chamo de minha vida.
Quem me rege,  me governa, me guia,  também me mostra com os sinais diários,  que desistir não é uma opção viável.
Não cruzo os braços e espero cair nada do céu além da chuva, que ultimamente nem isso tem caído.
Todos os dias,  eu mato os leões das adversidades indesejadas lá fora, Luto contra mim mesma, brigo com meus demônios internos,  com meus medos, e meu inferno astral,  ou menstrual.
E é por esses, e tantos outros motivos,  que eu,  hoje, sou mais forte, como já disse, fiz de mim uma muralha contra os maus sentimentos,  invisível aos olhos obesos,  e livre de todos os pesos.

Jeessy B.