27 setembro 2016

Bata a porta moça.


Queria gritar,  mas a voz não saia, e quando eu teimava, e tentava ao menos falar, os olhos molhavam sem querer.
Seca logo estas lágrimas,  lava esse rosto, retoque a maquiagem,  e vista sua máscara de que tudo está bem e   s i g a.
Você sabe que lágrimas não podem definir uma pessoa como fraca ou forte, mas ninguém precisa saber da tua dor. 

A moça bateu a porta e saiu, a mulher apenas fugiu,  sem dar satisfação,  sequer um bilhete de despedida deixou, a menina,  foi a única coisa que lhe restou. 

Sabe qual é o problema dela?
Ela precisa de tudo em excesso,  os bons sentimentos é claro,  mas principalmente de um ombro ou um colo pra chorar.  Quem te conhece sabe da tua história,  sabe que contar suas dores para se fazer de coitada não é o seu forte,  mas as vezes é preciso desabar,  ao invés de se camuflar atrás de um sorriso amarelado e gasto, que por sinal, é conhecido por muitos,  e você pode contar nos dedos de uma mão,  quantos os desvendaram.

Menina, a vida te dá motivos para   s o r r i r,  mas também te dá uma bagagem que as vezes é impossível de carregar sozinha,   quando se sentir segura,  fale, desabafe esse peito de dor, desfaça os   nós   entalados   da   garganta. 

Bata você também a porta, e deixe suas dores presas em um lugar, que seja impossível que elas fujam e lhe visitem novamente. 
Vai passar.
T u d o  passa. 
As lágrimas vão secar,  o dia vai nascer,  o sol vai raiar,  e o teu   s o r r i s o   o dia vai irradiar.

Jeessy B.