22 outubro 2016

Prefiro as entrelinhas.

Tenho pena de quem tem a alma pequena. 
Tão miúda, que pensa ser sábio o suficiente para tentar distribuir lições de moral,  que na verdade,  não lhe cabem na própria vida.

Eu, não sou perfeita, e não me orgulho de muitas coisas que fiz. Mas sou mulher,  e bato no peito pra dizer que existem muitas exceções. 
Existem coisas não tão bonitas que fiz,  caminhos não tão floridos que escolhi,  mas que me fizeram aprender,  o suficiente para chegar aqui,  olhar para o lado,  e ter a certeza de que ao meu lado,  está,  quem eu escolhi. 
Quem esteve comigo no bom e no ruim.

Dos dias de churrasco e cerveja na laje,  e também nos dias de pão com ovo (Que por sinal eu adoro).
Isso é lindo. 
Não pelo hoje. 
Mas pelo ontem.
Existem tantas pessoas que tentam fazer os outros engolir suas inverdades por aí. 
Que quando se encontra alguém, que prefere o silêncio do sentir,  o silêncio da felicidade que grita mais que qualquer voz, o silêncio do amor que faz o corpo estremecer e as palavras faltar.

Que percebemos que-a-verdade,  não existe para aquele que sobe no palco da vida, e grita coisas absurdas,  que todos sabem que nunca existiu, nem existirá,  pela simples vontade de "parecer" algo que nunca será.
Embora o grito seja a melhor forma de aparecer,  eu prefiro o silêncio,  as letras miúdas das entrelinhas que os tolos têm preguiça de ler.

Jeessy B.