11 dezembro 2016

Me dá um cigarro?

Me dá um cigarro?
Estou rezando pra que a fumaça me leve para longe daqui.
Longe de mim, dos meus medos dos meus passos descompassados, e até dos meus sonhos absurdos.
Hoje é um dia daqueles em que eu precisava de um colo para re(pousar), pra descansar, sem pensar no ontem, no hoje, no amanhã. Descanar sem receio do que pode me atacar, me ferir, me machucar.

O mundo é lindo, mas o seu lado feio, é cruel, não tem limites. Lá fora não tem essa de me ferrei hoje mas amanhã vou para o fim da fila e serei recompensado.
Quem não se destaca é engolido pelo esquecimento em todos os aspectos.

Me dá uma dose de qualquer coisa?
É qualquer bebida forte e barata que me Alegre momentaneamente, e me faça esquecer de tudo o que eu gostaria de deixar para trás. Amanhã, mesmo com dor de cabeça e sentindo todos os sintomas da ressaca, é outro dia.
Tenho caminhado um passo de cada vez, nem rápido, nem lento, na medida para que os bons ventos me alcancem. Invadam minha casa pelas portas, janelas e frestas e façam dela o teu lar.

Meus móveis estão espalhados por todo lado, o quintal é um caos, eu preciso de ajuda para arrasta-los. Preciso de alguém que me dê uma dose de adrenalina, e me sacuda a vida. Alguém que venha para ficar em meio a bagunça que eu chamo de vida.
Alguém para me salvar.

Jeessy B.