11 setembro 2017

Só verdades.



Uma máscara,  por mais habituada que esteja ao teu rosto. Um dia cai.
Por mais que uns e outros estejam acostumados a "ganhar",  hora ou outra, perde.
Cai, se fere, se magoa,  e se acaba nas esquinas da vida.
Dizem que uma verdade por mais que doa,  sempre será melhor que uma mentira bem contada. É doce,  soa bonito aos teus ouvidos,  mas é nada mais,  nada menos que o comodismo batendo a sua porta, te invadindo,  e te deixando com medo de arriscar uma verdade por menor que seja.
Tente.
Faça diferente.
Ao invés de pedir, agradeça.
Ao invés de sonhar, acorde,  e vá lutar.
Ao invés de maldizer,  silêncie.
Na vida, é sempre melhor pecar pelo excesso do que pela falta, isso incluindo a parte que você senta no rabo,  para falar mal do alheio.
É feio.
Faz mal pra vida, pra alma.
Pesa.
E eu, mesmo acreditando que o mal está em todo lugar, também acredito que você,  não quer ao lado dele,  todas as noites se deitar.


 Autora: Jeessy B.


01 setembro 2017

Aceita.


Aceita que aquele homem que você enchia de defeitos e maldizia mudou, mudou de verdade, mudou para si mesmo, mudou para mim, e para o mundo também, sim, isso é possível, eu também mudei.

Respira fundo e entenda que ele escolheu ser feliz ao lado de alguém que realmente merecia a sua mudança, que não fraquejou na primeira briga, e que não se escondeu embaixo da cama nos dias de caos.
Engole, porque hoje, ele é o homem que você sonhava, que queria ter, mas não pode.
Porque hoje, mesmo continuando sendo imperfeito, mesmo tendo as janelas e portas abertas da nossa relação, ele escolhe diariamente ficar.

Essa é a grande prova de que a mudança existe para quem luta, demonstra, compreende, e é de verdade.
Não adianta apontar todos na rua e esquecer de olhar para o teu próprio ser.
Não adianta deixar de elogiar para mostrar os defeitos.
Aprenda que a mudança tem que partir de você para conseguir alcançar e mudar alguém que está do teu lado.
Entenda que mulher de verdade, não sai por aí julgando e dizendo que homem não presta, isso é coisa de gente fraca e incompetente, que não tem capacidade o suficiente de mudar e moldar alguém para o teu próprio eu.
Todo homem nasceu com um "q" de cafajeste, com o DNA de um ser que faz, e só depois pensa. Infelizmente isso tá no sangue, tá na cara de pau que todos eles têm. Não estou aqui para defender ninguém. Só para mostrar que pode ser diferente sim. Basta querer, um querer de ambas as partes, uma andorinha só não faz verão, mesmo com muita luta. Mesmo fazendo das tripas coração, mesmo se deixando de lado.

A questão é  amar  a si mesma, e se colocar ao lado, nem a frente, nem atrás, porque comigo é assim, se quiser ficar, que seja ao meu lado, segurando a minha mão, me apoiando, me amando, me respeitando.


 Autora: Jeessy B.


11 agosto 2017

Me leia.

Quer me conhecer?  Me leia.
Mas não só aquilo que eu gosto de escrever em letras garrafais, leia as entrelinhas,  aquelas que todo mundo tem preguiça de ler,  leia até mesmo o que não  escrevo, não-por-não querer escrever,  mas por não saber d(escrever), leia meus olhos que gritam minhas verdades as vezes ocultas,  leia minhas mãos,  minhas linhas,  meu sorriso e seu brilho inigualável,  leia as curvas do meu corpo,  as ondas dos meus cabelos,  leia o caminho que meus pés percorreram.  

Quer me conhecer?  Leia aquilo que eu não contei mas vivi,  leia o motivo do meu choro baixinho na madrugada,  leia o meu sorriso bobo sem motivo, ou com motivo, nome, sobrenome, e dono de um sorriso lindo .
Quer me conhecer?  Aprenda e tenha paciência para me ler,  sou um livro gigante cheio de surpresas,  que uns perdem o interesse pela demora, já  outros  se dedicam e não sossegam enquanto não lêem até o fim.

Que só para constar, não chegara tão cedo, ainda tenho muitas páginas em branco para viver, e      d e s c r e v e r.

Jeessy B.




04 junho 2017

Sobre sentir.

Escrevo o que sinto, escrevo pois sinto.
Tudo depende do meu humor,  do meu dia, do que eu vivo,  vivi, um dia quero viver, ou apenas daquilo que quero distância.
Escrevo pra mim, pra me aliviar,  pra extravasar, pra sorrir,  ou chorar através das palavras.

Engana-se completamente aquele que acha, ou um dia achou que era o motivo das minhas palavras,  aliás, na verdade tem sim uns e outros que são donos de muitas das minhas linhas e também do meu bem querer.
Mas isso não é no geral.
Se eu não sou pra qualquer um, minhas palavras são menos ainda,  até porque não é todo mundo que merece meu tempo, minha presença,  ou sequer uma letra minha digitada com o intuito de lhe tocar ou de lhe atingir.

Sou intensa demais,  as coisas são a flor da pele demais,  eu sinto demais,  acho que até em excesso,  e como tudo que é demais estraga, enjoa,  isso não é diferente com o meu sentir, me transborda demais, mas paciência.
Quem não gostar, felizmente vai ter que me engolir assim, do jeitinho que nasci.
Os que se incomodam com a minha presença mesmo que indiretamente,  só tenho a lamentar,  aliás pra dizer bem a verdade, não lamento não, só sei que vão ter que me aguentar muito ainda.

Eu gosto disso, de causar o desconforto alheio, não posso negar,  quando vejo os olhares tortos,  os cochichos,  e as sobrancelhas erguidas (Não mais que as minhas é claro), eu gosto,  gosto porque esses sintomas são de inveja,  e mesmo sendo um sentimento mesquinho, ninguém sente isso por alguém que no fundo não admira de certo modo.
E embora eu cause isso ao redor, eu só almejo a paz de dias tranquilos, numa varanda seja na praia ou no campo, ouvindo música,  sentindo a brisa dos meus ventos balançarem meus cabelos,  enquanto eu aprecio um bom vinho, com a presença do meu querido, enquanto finalizo ou início mais um livro.


 Autora: Jeessy B.


Sobre mudanças.

Tem gente que muda, se molda, e não sai do lugar.
Não sai porque a mudança acontece só nas palavras,  e palavras,  por mais que sejam bonitas quando usadas da forma correta, ainda é pouco demais pra provar algo pra esse mundão de Deus, e para si mesmo.

Tem que ser mais, mais que isso, e menos mimimi daquilo, tem que se desprender,  pra tentar enxergar.
É complexo e muito difícil de entender,  mais ainda de mudar.
Bonito é quando isso acontece de dentro, quando teu eu, grita e pede que isso aconteça antes mesmo que qualquer um aponte o dedo na tua cara, e exponha seus piores demônios para o mundo inteiro ver.

Porque pra ele, é fácil apontar, difícil,  difícil mesmo é olhar para o teu próprio umbigo,  difícil é ver e enxergar que teu teto pode ser  de vidro, e que as vezes,  aliás a grande maioria das vezes,  machuca ouvir certas coisas.
Dói,  esfola,  ajuda, mas infelizmente não é o suficiente para mudar,  até porque não são todos que estão dispostos a isso.

 Autora: Jeessy B.


31 maio 2017

A cerca.


Descalça, despida dos outros, despida de si mesma.
Descendo uma ladeira ou viela qualquer, sozinha, mas nunca só.
Cabelos ao vento, de cara lavada, talvez pela chuva, talvez pelas lágrimas.
Sem corda, nó, ou laço para te amarrar, ou te obrigar a ficar​.
Sem rumo, sem endereço, sem destino.
Livre dos pesos, passados, livre dos olhos.

É Zé, talvez falte isso.
A falta, o vazio, o barulho que o eco faz.
Me sinto presa em algo que não é meu, insisto em ficar, mas esse talvez, não seja o meu lugar.

Certa vez ouvi sobre a história de uma cerca, que quando esburacada por pregos e marteladas, nunca voltaria a ser a mesma, ter a mesma força.
Eu me sinto como a tal cerca Zé.
A cada novo prego, um novo buraco, uma nova ferida, uma futura cicatriz.
A cada martelada, eu luto para me refazer e me fazer de forte, enquanto vejo meu sangue esvaindo na forma das lágrimas que não consigo conter.

É Zé, o vento que está batendo na minha janela, e secando essas lágrimas agora, grita ao pé do meu ouvido: "."
E o meu maior medo, é ficar, e continuar aqui, deitada na minha cama de solteira, vendo ele balançar minhas cortinas, enquanto me lamento por não ter ouvido o seu chamado.


29 maio 2017

Um punhado de sensações, sentimentos, saudades e palavras.

Eu me odeio Zé.
É isso mesmo que você ouviu, eu me odeio, e não é só isso, eu queria me afogar, e acabar comigo mesma, com essa eu que os outros apontam sem conhecer, detestam sem trocar uma palavra,  eu queria sumir comigo mesma, desaparecer com essa pessoa que as outras não vão com a cara.
É difícil me mostrar assim tão eu, por isso, aguente os soluços e meu pranto, por fora, essas lágrimas tentam demostrar o que se passa aqui dentro, mas infelizmente elas são inúteis. Até dessa minha verdade, duvidam.

Tudo Zé, às vezes olho ao meu redor e não me re-conheço de tanto que mudei, e me moldei pra agradar, quem pouco se importa comigo.

O reflexo do espelho, não é mais meu, eu vivo em um lugar, onde detesto a cidade, não conheço quase ninguém, e os poucos que conheço me julgam e me jogam pedras.
Até quando eu acerto, estou errada.
Aqui Zé, eu não sinto o cheiro de mato que eu gosto, o sabor de um hambúrguer daquela marca famosa de fast-food , nem se compara com o do frango com quiabo-e-angu que eu tanto gosto.
Nada tem a minha cara nesse lugar, e pra ser sincera, me orgulho de não parecer com esse céu cinza, e com as poucas árvores solitárias que restaram.

Meus pais não são os mesmos, e eles não sabem a falta que eu sinto de como eram, sinto falta das pequenas coisas, já que minha família não carrega nenhuma riqueza a não ser a fé.
Sinto falta de pessoas que conheci, de quem me cuidou e olhou por mim quando pequena. Que saudade daquela senhora que me benzia e já se foi, saudades da senhora que "curou" meu umbigo quando recém nascida, saudades do padrasto da minha mãe que eu chamava de pai,  quando o meu pai viajava para trabalhar. Saudades de minha avó, da minha tia, e de outras pessoas as quais palavras, não conseguiriam​ definir tudo o que carrego aqui.

Não sou uma coitada Zé, mas tem dias em que o vento bate contrário, e eu, só sei ser lágrimas e lembranças, infelizmente não ficaram só as boas, pois as ruins me fizeram chegar até aqui.
Eu, sou, exatamente tudo aquilo que vivi, na minha mala tem um punhado do que passou, inclusive dessa angustia que me assola hoje.

Aos poucos, me tornei desconfiada demais, eu sei, algumas pessoas não merecem isso, mas como ao longo dos anos fui traída pela maioria,  sempre terei um dos meus pés atrás, sou adepta do: É-melhor-prevenir-do-que-remediar. Espero tudo de todos, embora haja uma esperança infinita em mim. E mesmo sendo apontada, prefiro escolher ser diferente, e não falar mal de ninguém, aprendi com Freud Sigmund, que: "Quando Pedro me fala de João, sei mais de Pedro do que de João."
Prefiro observar, e guardar o que penso para mim mesma. Acredito que que se à maioria usassem​ isso como mantra, ou religião, o mundo seria um pouco melhor.

Essa carta é um desabafo de tudo, todo o turbilhão de sensações, lembranças, e amarguras que tenho. Eu, um dia Zé, vou aprender a me desprender disso também. Foram tantas coisas ruins que abandonei pelo caminho, que acredito, na verdade prefiro acreditar, que um dia isso vai se desprender de mim.

Eu só espero Zé, que quando este dia chegar, eu seja, um pouquinho mais compreendida e menos julgada. Mais abraçada, e menos apunhalada.
Obrigada por me ouvir, de corpo, alma, coração e colo Zé, vou rezar, e pedir com fé, que amanhã os bons ventos voltem a fazer de mim, a muralha de sempre, contra os maus olhos,  e as más sensações que às vezes me tomam.

  Cartas para o Zé. Autora: Jeessy B.

03 maio 2017

Moça.


Vai  m o ç a, solte esses cabelos, passe aquele batom vermelho, tire esses sapatos que te apertam os calcanhares, saia descalça se mais gostoso for, vista algo confortável, aprenda a se despir do que não vem para acrescentar, o que prende demais nunca vem para somar.

Saia sem rumo, sem destino, sem ter que dar satisfação.
Quem te acompanhar por essas caminhadas perdidas, com toda a certeza,  ao seu lado merece estar.

Deseje aos outros o que sonha pra ti.
Sorria pra vida  m o ç a, para que ela nunca se canse de te sorrir de volta.

Jeessy B.

Ps: Não pude editar a foto, achei perfeita demais.

19 abril 2017

Meu Jardim.

                    
Ele é meu marido,  meu noivo,  meu namorado,  meu ficante, meu amigo. Tudo isso, e uma boa porção de outras coisas que me fizeram crescer,  e transbordar em algo que chamamos de nós.
Não nos casamos ainda,  não moramos juntos,  nem temos a rotina que todo casal sonha,  somos completamente diferentes,  e foram essas diferenças que nos juntou la atrás.

Estivemos um ao lado do outro nos momentos mais difíceis,  aqueles em que ficamos sozinhos, que o mundo nos da as costas,  em que amigos,  namorados,  e familiares somem, os interesseiros viram pó.

Foi assim, nesse exato momento em que o laço da união fez nos presentear.
Em nós não há espaço para coisas ruins,  brechas para deixar o mal se instalar,  e para ele as portas e janelas sempre estarão lacradas.
O interesse que vive em nossos corações,  é aquele bom, que quer cada dia mais amor,  carinho,  afeto,  união,  coçegas e brincadeiras desajustadas, que outros casais nunca entenderão.
Não somos nem nunca seremos perfeitos,  mas desejo minuto-a-minuto que continue sendo assim,  que a vontade de permanecer lado-a-lado,  seja sempre mais forte que a de partir.
Porque eu, mesmo sendo borboleta, encontrei um  j a r d i m  lindo,  dos olhos castanhos pra chamar de  m e u.

Jeessy B.

10 abril 2017

Buscando a felicidade.

Cansei.
É Zé, eu me cansei.
Me entreguei, me joguei de cabeça, como quem não sabe se a parte funda do lago "dá pé", eu me fiz e me refiz, me dei inteira, nua, crua, eu. Pra ele me mostrei como nunca fiz com outro.

Adiantou de que?
Absolutamente de nada Zé, foi como ver uma torneira aberta se esvaindo em água, enquanto isso o ralo fazia uma festa.
Eu, era a torneira, e ele o ralo.

O que me machuca o coração, é olhar tudo o que fiz e não foi reconhecido.
Não, eu não queria uma estrelinha na testa, eu sonhava com a reciprocidade.

In-felizmente há males que vem para o bem.
Eu aprendi aos trancos e barrancos, minha mala ganhou mais um punhado de experiências. E por isso eu até que agradeço.

Tenho passos firmes Zé, e sem que serei recompensada pela minha verdade. Eu tentei, mas não desisti. Pois a felicidade é o que desejo todas as noites antes de dormir.

Cartas para o Zé. - Por Jeessy B.



Joio e Trigo.

As vezes eu me revolto, tenho vontade de dizer tudo o que penso sobre algumas pessoas, esfregar na cara a realidade, que muitas das vezes Zé, não é a desejada, e em alguns casos, nunca será.
Mas aí eu paro e penso, jogar merda no ventilador, é recebe-la de volta na cara com os ventos contrários.

Quem não sabe o seu lugar no mundo, saí pela vida como uma galinha no quintal​, ciscando aqui, hora acolá. Sabe o que me diferencia Zé?
Não tenho tempo ou vontade de me rebaixar à certos níveis, que de tão baixos, dão pena.

Por isso, pela segurança, pela cumplicidade que tenho com a vida, e por saber onde estou, e até onde chegarei, não permito que o joio se misture com o trigo que me deu tanto trabalho para separar Zé.

Acho que o melhor que podemos fazer Zé, é com que o trabalho de-dentro-de-casa seja bem feito, forte como um alicerce, para que vento contrário algum, possa abalar.

Trecho de Cartas para o Zé.- Por Jeessy B. 


29 março 2017

Flor que se cheire.

                   

Eu nunca fui flor que de cheire.
Nunca fui a mocinha da história.
Nunca sai como a certa, por mais que estivesse.
Nunca fui considerada a melhor amiga de ninguém.
Nunca fui meiga.
Sou julgada diariamente por uma sociedade que tenta impor que eu viva um modo de vida que não é meu.
Ouço cochichos de gente que não se agrada com a minha presença.
Posso contar nos dedos das mãos quem está por mim.
Vejo os risinhos falsos que tentam me enganar.
99,9% das vezes que discuti,  ou briguei com alguém,  sai como a errada.
Isso tudo por ser transparente demais.

Ser a verdade que muita das vezes esta oculta.
Sempre me res(guardo), me esquivo de palavras e pessoas ruins.
Não grito minha opinião, não falo mal, não tomo partido,  não escolho lado.
E por ser assim, dizem que sempre estou em cima do muro.
Eu prefiro guardar a opinião que tenho, para mim, porque sei que não serei compreendida.
Sempre que escolhi um lado,  no fim me vi sozinha, então de tanto ralar os joelhos,  ganhei jogo de cintura pra aprender a parar de tropeçar.
Aprendi a ouvir os dois lados de toda e qualquer situação,  porque falar até papagaio fala.

Jeessy B.

15 março 2017

Insana.


Cansei de explodir o que pensava e apontar o dedo para me defender. 
Cansei de aconselhar e ser metralhada pelas costas. 
Cansei de sorrir e abraçar, para depois ser mais um nome julgado. 

Não sou sonsa, não sou cínica, sou apta ao deboche dessa meia dúzia de gente, que pensa que eu não sei de nada. Silenciar e observar, é saber como andar no mundo das cobras.
Ao meu redor,  posso contar nos dedos de uma mão os verdadeiros,  os que vem para somar,  e os que não somam,  mas também não tentam diminuir. 

Esses sim merecem minha amizade,  minha companhia,  minha lealdade,  o resto, como sempre digo,  é mero coleguismo.  A vida me ensinou a viver em uma sociedade diversificada,  mas meu bem,  isso não significa que eu tenha que engolir o seu veneno podre.
Porque eu, posso ser dada como louca, mas eu prefiro ser assim,  insana, do que falsa.

Jeessy B. & Joyce Xavier

Ela.

Ela sabe reconhecer quem caminha ao lado dela por aceitação e não por bajulação. Isso é determinante para que ela não se renda às ilusões. 
Ela sabe que precisa estar sozinha em alguns momentos e, quanto a isso, aceita muito bem e até gosta, pois seus pensamentos não a incomodam. 
E mesmo não tendo a vida perfeita ela não desiste de sorrir, e mostrar como a rotina pode ser bela através dos teus olhos castanhos tão vivos, que gritam ousadias por aí.

Por mais que lá fora os dias sejam nublados,  o que importa é o brilho que ela carrega dentro de si,  a fé que não a deixa cair,  os ventos que lhe mostram a direção,  e os tombos,  que mesmo as vezes atrapalhando, também a ajuda a levantar,  e (re)aprender à caminhar.
Ela aprendeu com o tempo, que precisa estar em comunhão com sua própria companhia para que nunca corra o risco de perder-se de si mesma.

Andressa Badin Castro & Jeessy B.

Arrisque, tente, lute.


 A gente cansa do oportunismo alheio, a gente cansa de ser feito de válvula de escape , de só servir para o outro quando há interesse envolvido. 

A gente simplesmente perde a vontade de ter pessoas assim na nossa vida, mas no final das contas, quem perde é o outro que não sabe ser recíproco. Não sabe o sabor do doar,  e com o passar do tempo receber,  desaprende a receber coisas boas,  porque da porta pra fora o mundo não é colorido,  não é brilhante,  não é bonito, e o arco íris geralmente está em falta.

E isso depende de cada um de nós,  cada gota de tinta,  cada lantejoula,  cada ser que coloca as mãos na massa,  e arrisca,  tenta,  luta,  porque independente do resultado,  desistir sempre é mais difícil do que continuar.
Com o passar dos anos a gente aprende a con(viver) em paz consigo, sem criticar, apontar, ou maldizer o outros.
Sabe porque? 
Porque quem vive sua própria rotina,  não tem tempo para perder.

Jeessy B. & Sabrina C. Braga

01 março 2017

Um amor puro chamado Oyá.

Oyá minha rainha.
Minha vida.
Meu Orisá 
Que me protege nos caminhos e nunca me deixa sozinha caminhar. 
Ela é brisa leve que toca o meu rosto nos dias bons. 
O vendável que me balança os cabelos nos dias ruins, para de mim, o mal afastar. 
Tenho o maior orgulho do mundo de ter nascido filha de Oyá. 
Ainda que no ventre de minha mãe,  eu fui escolhida.
Sou filha dos ventos que refrescam os dias de calor.
Sou filha da borboleta que me alegra a voar no nono andar.
Sou filha do raio,  que clareia os céus sem brilho nos dias chuvosos.
E do fogo dividido com Sàngó, o rei da minha vida.
A felicidade em ver minha mãe dançar,  não cabe no peito, nos olhos, menos ainda no sorriso.
Uma criança no ápice de sua alegria chora,  e eu,  choro quando vejo Oyá. 
Acordar em uma quarta sem expectativas,  abrir as janelas,  e ver o céu rosado de Oyá é sentir que a vida tem sentido,  que tudo vale a pena, que eu não carrego essa fé toda por carregar.
Sou,  e sempre serei filha de Oyá,  isso nada, nem ninguém pode mudar.

Jeessy B.


22 fevereiro 2017

Zé...

Eu não vou mentir pra você.
Ela pensa sim em desistir, em se entregar, jogar a toalha,  esquecer os seus truques,  e deixar com que a vida a leve para onde bem entender.

Mas seria difícil demais,  mais do que continuar,  afinal de contas nego,  não é qualquer um que nasce com o dom de lutar, com o dom de cair,  e ali,  logo ali na frente,  aprender a levantar,  e dar os primeiros passos novamente,  os primeiros de muitos,  até ela cair de novo,  e de novo e de novo.

A vida é assim né moço, uma eterna escola, onde quem aprende não só passa de ano,  como cresce e enobrece.
Zé,  você a conhece melhor que ninguém,  sabe que ela se faz de pedra,  mas é uma manteiga na frigideira quente.

Faz ela entender,  enfia naquela cabeça dura que ela nasceu pra ser mais,  mais do que sua mente medrosa pode prever,  mais que suas idéias mirabolantes de que não vai dar certo por isso, ou para aquilo.

Zé,  ela é tão positiva com os outros,  sempre injeta bons sentimentos em quem permite, mas com ela mesma,  é um poço de receio só,  ensina ela,  que ninguém mundo poderá mudar o caminho de quem já nasceu sendo,  e o que não era,  aprendeu.
E que não será o seu auto-boicote que mudará o foi feito pra ser.

 Jeessy B.


13 fevereiro 2017

Minha Fé.

Minha fé não é das melhores, aliás não posso dizer que é inabalável, porque muitas vezes ao longo da minha vida ela se abalou, machucou, partiu, cortou.
Quando falo de fé não envolvo só a minha religião, envolvo tudo, toda a esperança que tenho no coração, esperança em mim, esperança nas pessoas, esperança no mundo, no presente e no amanhã.
Fé pra mim engloba muita coisa, na verdade  engloba tudo.

Eu por exemplo muitas vezes cai, fraquejei , sofri, muitas vezes embaixo do chuveiro meus olhos molhados escondi, e baixinho chorei, me desfiz, e me refiz através de cada uma das lágrimas que derramei. 
E minha fé, nunca deixou de comigo estar. Quando eu não tinha para onde correr, era nela que eu grudava, e era para o céu que eu rezava. 

Há pouco tempo descobri minha religião, minha nação, minha verdadeira vocação, não é perfeita, há muito que eu gostaria de mudar, mas é ela que toda vez que eu balanço, me ajuda a me firmar, eu ainda sou uma mera aprendiz, aliás tenho muito o que caminhar, o que descobrir, muito ainda pra rezar, mas enquanto eu aprendo, há algo que se fortalece dia-pós-dia dentro de Minh'alma, e algo que dinheiro não compra mas faz um bem danado de bom pra quem sente, pra quem mesmo andando sozinho, sabe, que nunca estará só, faz bem, pra quem se permite entregar, pra quem realmente deseja só o bem, e ao mal não quer se juntar, faz bem, pelo simples fato de existir, e para si, ali, quietinho, através  do vento, se mostra de verdade para quem quer lutar.

Sou menina
Sou moça,
Sou mulher,
Sou do vento,
Sou filha de fé,
Sou de asé,
Muito prazer, eu sou do candomblé.

Jeessy B.

06 fevereiro 2017

Da atual, para a ex.

Ligue.
Escreva.
Procure.
Se humilhe pela última vez.
Tente arrancar mais uma migalha.
Um "Oi" automático, ou simplesmente a indiferença de sempre.
Se arraste até onde sabe que poderá encontrá-lo mais uma vez ou pela última vez.

Migalhas.
Restos.
Metades.
Isso é o que você pode ganhar.
Esqueça a ideia de uma reconciliação.
Se conforme que a realidade dele hoje, sou eu, e não importa como isso aconteceu.

Ninguém derruba a estrutura forte de uma relação, e se isso aconteceu com você, peço-lhe desculpas, mas ninguém derruba o que nunca deixou de estar no chão.
Tire da sua mente pequena e pobre o sonho de um dia acordar e tudo estar no mesmo lugar.
Um relacionamento é como a mobília de uma casa, se você não dá duro, e se esforça para manter as coisas no lugar, não adianta reclamar quando a geladeira estiver deitada no seu lado da cama.
Autocontrole não é pra todo mundo.
Ter jogo de cintura para manter uma relação a dois, menos ainda.

Por isso, faça o favor de tirar a sua pedrinha miúda do nosso caminho.
Ele já escolheu.
É só olhar para quem anda de mãos dadas ao lado dele hoje.
Mulher meu bem, mas mulher de verdade, aprende desde pequena a ter confiança em si, o suficiente para teletransportar isso para quem anda ao teu lado. No meu caso, ele.
Mulher de verdade enobrece o homem, um dia ouvi isso, e mesmo não me servindo naquele momento, cai como uma luva para minha vida de hoje.
E é isso.

Siga teu caminho, pois o nosso, está ocupado demais com amor, e companheirismo, mesmo você não entendendo, nem sabendo o significado destas duas palavras, um dia, com o tempo, você aprenderá, amor de verdade, não significa mudar a foto da rede social, status de relacionamento, ou juntar as escovas de dentes.
Isso, é só para os amadores.


Jeessy B.



01 fevereiro 2017

Sobre a "ignorância" alheia.


Eu tenho asco de gente que tenta ser o que não é, fala sobre o que não sabe,  especula por puro lazer, e que para se promover tenta pisar ou diminuir os outros.
Simplesmente já não tenho paciência para aturar certos tipos de coisas, ou certos tipinhos de gente que são verdadeiramente dignos de pena.

Posso ter um bilhão de defeitos, mas o mal de falar pelas costas e dar beijinho no rosto, não faz parte da minha vida, mesmo um dia eu tentando ser assim, senti dó de mim, dó por ter de me sujeitar  a algo tão repulsivo por pessoas que não valiam o chão que pisavam e pisam.

Sou grossa, rude, áspera, intolerante , ironicamente irônica, e as vezes, doce como um coice de mula, sou intensa, e não troco essas minhas imperfeições por nada, muito menos por alguém.

Segundo ao Wikipedia a palavra ignorância se refere à falta de conhecimento, sabedoria e instrução sobre determinado tema.
Por isso antes de chamar alguém de alguma coisa, procure saber o significado da determinada palavra para não passar vergonha.
Aprenda que quem fala na cara, como eu, e visto como intenso e verdadeiro, já que fala pelas costas, é falso, e não há nada mais feio que gente falsa, que vale menos que um dvd pirata.

Já dizia o grande sábio Sigmund Freud:
O homem é dono do que cala e escravo do que fala. Quando Pedro me fala sobre Paulo, sei mais de Pedro que de Paulo.


Jeessy B.

27 janeiro 2017

Transparente.



Sempre fui transparente demais para fingir, mesmo pensando que tenho um bom lado atriz,  não pelo fingimento,  mas por saber se adaptar a situação,  saber se colocar no lugar do outro, saber ceder, me adaptar ao modo que a vida me molda.
Nunca vou deixar que os maus olhos consigam me mudar, a não ser que seja  por um maior chamado eu.

Tenho nos olhos a bondade que encanta,  aproxima e afasta muitos.
No coração a lealdade,  a compaixão que falta nesse mundo.
Quero acordar diariamente e me re(conhecer) no espelho, pelo que fui, pelo que sou, pelo que quero e pelo que ainda serei.
Peço,  mas agradeço mais que tudo, na vida,  a gratidão é divina,  e para poucos,  pois poucos não tentam cuspir no prato que um dia lhe alimentou.

Quero ser a diferença,  pelo simples fato de não me comparar, não me rebaixar,  não me humilhar,  um dia,  a cobra a quem eu estendi a mão me picou,  desde então, aprendi a me diferenciar,  viver em comunidade sem me misturar.
Números, elogios,  nada me sobe a cabeça,  porque nas portas da minha vida,  não tem nenhuma placa de vende-se.
Nada vai tirar de mim, a humildade que eu nasci.

Jeessy B.

22 janeiro 2017

Meu preconceito.

Sou preconceituosa sim, daquele tipo de preconceito que sente nojo, que dá ânsia, daquele tipo de preconceito que quer distância, que prefere pensar que isso na verdade não existe.

O que me diferencia dos outros preconceituosos por ai, é que para mim tanto faz a cor da tua pele, dos olhos, do cabelo, ou sua religião.
Para mim tanto faz se você é rico ou pobre.
Se é bonito ou feio.
Eu estou pouco me lixando para sua sexualidade, ou pelo que faz com teu corpo.

O meu preconceito e com a sociedade fútil que vivemos hoje, que prefere tapar os olhos para a criança que dorme e passa fome na rua, e beber a sua Chandon, ostentando muitas vezes o que não se tem.

O meu preconceito e com a maldade que as pessoas carregam dentro de si, matando, maltratando, zombando do pouco que muitas vezes e o tudo que o outro tem.
O meu preconceito é contra tudo que possa fazer mal a alguém um dia, temo pelo amanhã, não por meus atos somente, porque um dia terei que prestar contas por tudo o que fiz, e deixei de fazer.

Eu temo é pelos outros, temo pelos atos impensados, temo pelos inocentes, e por aqueles que realmente sentem.

Preconceito bom, e aquele que não prejudica ninguém, se te corrói, guarde para si. Sim, vivemos em um país livre, para ir, e vir, mas já caiu de moda esse papo de "é bom com o dos outros mas não dentro da minha casa."

Somos livres, feio não é ser negro, gay, diferente, ou "macumbeiro", feio, é ter o coração mesquinho e pensar tudo isso mesmo estando no século da evolução, não deseje ao outro aquilo que você também não quer para si. 
Deseje o bem, assim ele vai, mas um dia, volta pra ti.
Seja paz.

Jeessy B.

21 janeiro 2017

É, eu cresci.

Carapuças não servem, indiretas não me cegam, palavras ruins não me atingem, mais.
Estou tão cheia de coisas boas, pensamentos, desejos, amores, cores, fé, reciprocidade, que o pouco não tem espaço na minha bagagem, não levo, não desejo, não quero que assole minha menor inimizade. É, menor, porque de maior, eu só tenho amor.

É, digamos que eu cresci, aos poucos, me sinto gigante dentro de um metro e pouquinho de gente, mas gente que aprendeu a não se importar com o que dizem, desejam, e rezam pra acontecer.

Eu já sabia que cada um é aquilo que emana para o universo, mas ainda pensava as vezes,  que coisas ruins, só atingiam a mim mesma, e mesmo gritando o bem, isso não era reconhecido ou enxergado pelos outros. 

Até que um dia, eu acordei diferente, pensando em mim, no meu eu em primeiro lugar, sem o peso de agradar os outros, eu sempre me doei demais, e recebi em troca de menos, isso quando não recebi agouro como moeda de troca.

Mas eu venci esse medo, me benzo todas as manhãs, levo como mantra fé nos passos,  amor no coração. Hoje, me ame, ou me odeie, sou o que sou, nua, crua, mulher,  acima de tudo e de todos, a verdade que eu não digo, meus olhos transbordam. 
Jeessy B.

04 janeiro 2017

A escolha não é mais tua.

Por mais que os anos passem, meu corpo ainda de arrepia com o seu toque,  como se fosse a primeira vez.
Parece ensaiado o nosso jeito de amar.
Meu coração embora já tenha gostado de uns e outros por aí,  sei que existe uma pontinha de sentimentos por você perdida aqui.
Ainda te sinto me olhando de longe,  ainda finjo que não vejo.
Meu bem,  muitos podem passar.
Vários me tocar.
Mas é as tuas mãos que eu quero sentir me envolver,  lógico,  eu não darei o braço a torcer.

Muito aconteceu,  machucou,  doeu.
Quem você escolheu, não te trata como eu,  não te tem, não prende sua atenção,  é vazia, vaga, fútil.
E eu não deixarei de viver, não por você.
O pé na bunda doeu,  mas cicatrizou,  me ensinou a ter vergonha na cara, me valorizar.

Se quer,  corra atrás.
Tente recuperar o tempo perdido.
Quem sabe eu não faço de conta que esqueci,  nem que seja por uma última noite. Só pra te fazer entender que sou mulher de verdade,  que não é escolhida,  escolhe a dedo cada par.
Só não crie expectativas, não se apegue,  afinal,  nunca se sabe com que humor vou acordar.
Hoje posso querer, e de madrugada ir embora de mansinho que é pra você não me ver.

Mas não se esqueça querido,  onde você estiver,  meu cheiro vai buscar você,  só pelo prazer de te enlouquecer.
A escolha não esta mais nas tuas mãos, eu não te pertenço mais, dos pés, a cabeça, sou minha, e sendo minha, escolho diariamente não pertencer a mais ninguém, que não eu.

Jeessy B.

03 janeiro 2017

Quero ser par.


Ah Zé , Hoje e uma noite daquelas em que a cama de solteiro, fica com o espaço de uma king size, a minha saudade chora sem aquele peito pra re-pousar, minhas mãos não tem outras mãos para se cruzar, olhares, pernas, corpos, hoje, essa noite, nada se cruza nessa casa.

Pequenas distâncias Zé,  pequenas que se tornam gigantes quando a vida brinca de nos separar quando o que mais queremos é ficar.
Seja na casa, na cama, ou na vida, só ficar, tendo a certeza de que o dia vai amanhecer em par.

Um pouco antes de anoitecer, fui ao mercado comprar alguma besteira para o café da tarde, e beliscar antes de dormir, me vi entre aquelas prateleiras sozinha,  sem um motivo para comprar dois pães, ou algumas cervejas a mais pra fechar a noite com mais motivos para sorrir.
Comprei tudo pra uma pessoa só,  pode parecer besteira, ou até sinônimo de felicidade pra algumas pessoas, mas não era pra mim. Até a moça do caixa me olhou diferente. Ela se acostumou à nos ver ali, escolhendo uma marca diferente de cerveja para experimentar, salame italiano para acompanhar, risadas, mãos dadas, amor.

Não acabou Zé, estamos bem, até melhor que antes, distância também une sabia?
Mas eu precisava gritar, que mesmo em meio as imperfeições do dias, ao caos que as vezes afasta, e as muralhas, existe muito amor.
Amor que cuida, daqueles que deixa o último pedaço de pizza, ou o último gole d'água  como fez pela manhã, que cuida das feridas, que é alicerse, escada, ponte, tudo o que serve pra somar, elevar, unir.

Ouvi dizer Zé, que existem mulheres que de tão poderosas, engrandecem seus homens, no primeiro momento senti como uma afronta, mas hoje, anos depois, entendi,  não era de coisas materiais que ele estava dizendo, e sim da vida, dos bolsos  cheios de coisas boas para doar ao outro.

Eu que sempre gostei da casa vazia, do barulho que fazia o meu eco, me vejo aqui, olhando o relógio, vendo as horas passar, constatando que hoje, não vou ouvir o barulho das nossas risadas misturadas, não vai ter ele pra pedir a toalha enquanto toma banho, não vai ter nós, hoje eu volto a ser impar Zé, sonhando com o dia que voltararei a ser par.

Cartas para o Zé. - Jeessy B.

Quero me perder.

"Sabe Zé,  sou um tipo atípico de mulher. 
Não sonho com um conto de fadas, casamento a moda antiga, com véu,  grinalda, lua de mel romântica,  rotina, crianças correndo pela casa. 
Acho que já vivi isso em alguma vida passada. 
Quero viajar,  me arrepiar com cheiros e sensações desconhecidas,  me jogar no escuro e me surpreender. 

Conhecer novas pessoas,  amar o que a vida possa me trazer.  
Sentir sabores que nunca vou me esquecer.
Eu só não quero ser mais uma Zé. 
Mais uma que guarda seus sonhos e vontades na sola do pé,  pra se adequar com o que a sociedade tenta obrigar a gente a fazer.

Cansa Zé,  essa vida morna,  sem sal,  sem açúcar,  parada como um carro quebrado em uma rodovia olhando o tempo passar.
Quero me perder, pra quem sabe um dia me encontrar,  um dia voltar,  ou não. 
Quem sabe a gente não se esbarra em uma esquina por aí Zé,  dessas que a vida,  a sorte,  ou o acaso nos faz passar, mesmo quando a razão,  ou a emoção tenta nos desviar."

Jeessy B.

02 janeiro 2017

Emanando positividade.

Para os próximos dias, menos sonhos e mais realizações. 
Menos promessas e mais atitudes. 
Menos reclamações e mais agradecimentos. 
Menos julgamento e mais entendimento.
Menos fome e mais fartura. 
Menos doenças e mais a cura. 
Menos violência e mais paz.
Menos maldade e mais caridade.
Menos gente de mimimi,  e mais,  muito mais Hahaha. 
Menos espinhos e mais rosas pelo caminho. 
Mais força. 
Mais foco. 
Mais fé. 
Mais amor.
Mais prosperidade. 
E por último e não menos importante, mais caráter e vergonha na cara.
Que neste ano as pessoas aprendam a não fazer com os outros,  aquilo que não desejam para si mesmas.

Jeessy B.