22 janeiro 2017

Meu preconceito.

Sou preconceituosa sim, daquele tipo de preconceito que sente nojo, que dá ânsia, daquele tipo de preconceito que quer distância, que prefere pensar que isso na verdade não existe.

O que me diferencia dos outros preconceituosos por ai, é que para mim tanto faz a cor da tua pele, dos olhos, do cabelo, ou sua religião.
Para mim tanto faz se você é rico ou pobre.
Se é bonito ou feio.
Eu estou pouco me lixando para sua sexualidade, ou pelo que faz com teu corpo.

O meu preconceito e com a sociedade fútil que vivemos hoje, que prefere tapar os olhos para a criança que dorme e passa fome na rua, e beber a sua Chandon, ostentando muitas vezes o que não se tem.

O meu preconceito e com a maldade que as pessoas carregam dentro de si, matando, maltratando, zombando do pouco que muitas vezes e o tudo que o outro tem.
O meu preconceito é contra tudo que possa fazer mal a alguém um dia, temo pelo amanhã, não por meus atos somente, porque um dia terei que prestar contas por tudo o que fiz, e deixei de fazer.

Eu temo é pelos outros, temo pelos atos impensados, temo pelos inocentes, e por aqueles que realmente sentem.

Preconceito bom, e aquele que não prejudica ninguém, se te corrói, guarde para si. Sim, vivemos em um país livre, para ir, e vir, mas já caiu de moda esse papo de "é bom com o dos outros mas não dentro da minha casa."

Somos livres, feio não é ser negro, gay, diferente, ou "macumbeiro", feio, é ter o coração mesquinho e pensar tudo isso mesmo estando no século da evolução, não deseje ao outro aquilo que você também não quer para si. 
Deseje o bem, assim ele vai, mas um dia, volta pra ti.
Seja paz.

Jeessy B.